sábado, 14 de agosto de 2010

cair

tropeçar
cair
jogar o umbigo no teto
terreiro
tropeçar
olhos fechados
jogar a coluna no teto
cair no céu
olhos abertos
cair em sol
tropeçar
em cima de tua
terra e vista
cair
novamente cair
relembrar o que não viu
sonhar com teu cheiro
travesseiro
abismo
sentir o perfume
laranjanela
ela caminha
cair do silêncio
cantar
uma aquarela
segundos intensos
segundas intenções
terceiro sol
cair
a noite
em si
tropeçar no abismo de ser
feliz
pedalar a madrugada
num sorriso num pé
pisar o terreiro
sagrar
sangrar de si
em cima do céu
chorar
cair
tropeçar numa pedra
no caminho
uma pedra
espirro de poeta
espinho
cair
novamente e novamente
cair
inventar um destino
cair
cair


3 comentários:

  1. E tropeçou no céu como se ouvisse música.

    ResponderExcluir
  2. Passamos a vida caindo, cada queda, sofremos, aprendemos, levantamos, seguimos... talvez o Sr. Tulípio tenha razão: a pior queda é cair em si.

    Adoro as quedas, e as feridas que elas provocam!

    Abraz

    ResponderExcluir