segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Memórias 2

Eu continuo bom no totó. Ou pebolim, nome científico. Mas na época da escola eu era mais treinado. O recreio estremecia quando se formava uma dupla forte pra caramba: o Sperling no gol e eu no ataque. (se bem que só o Sperling no gol já seria suficiente para ganhar, afinal, ele era o melhor na parada)

As regras podiam ser: normal ou "da rua".

Normal: não vale roletar. melhor de 3. gol de golero vale 2.

"da rua": vale tudo. inclusive roletar.

O lance de roletar era para previnir aqueles babacas apelões, do tipo que ficam mandando haduken sem parar no street fighter, ou que ficam em cima da linha da área da bandeira no pique-bandeira, ou o que fica guardando caixão em qualquer pique. Tinha uns muleques sem-noção que ficavam roletando direto e achavam graça. Roletar na frente do golero é sacanagem. Lembrei o nome de um, inclusive, mas não vou falar por motivos éticos.

O Sperling além de esculachador, gostava de tirar onda. Chegava perto da mesa, no começo do recreio:
- Ei, babacas. Eu só vou comprar um xis ali no zé, aproveitem ai, porque quando eu voltar vou ficar na mesa até acabar o recreio.

Filho da mãe.

E ficava. Era ótimo jogar no ataque com ele. Eu só precisava chatear as jogadas dos adversários, e, quando o Sperling dominasse a bola com o goleiro, eu esperava o chute dele e levantava todos os meus jogadores. Era gol, daqueles de cair a bola no chão. Não dava pra ver a porra da bola! Nego ficava chateado e o rodízio de de-fora ia rodando. Acabava o recreio e a gente ainda estava lá. O Sperling deixava o xis em cima da mesa e ia comendo. Eu também. Era legal. Tirava mó onda com as garotas. Nem tanto. Mas tirava.

sábado, 26 de dezembro de 2009

se eu fechar os olhos
estou boiando naquela cachoeira da Serra do Cipó
que parece cenário de filme
A Missão
ou coisa que o valha

a juventude pode ser uma brisa
e a calçada ainda continuar suja
o céu no horizonte um sorriso
nos olhos de amigos
o desconhecer a duração das coisas
o desconhecer

boiar, boiar nessa superfície clara e espelhada
que me lembra olhar o céu de de baixo d`água
na piscina
e tocar na fronteira do submerso
o que é água e o que é imagem
o que é verde
o que é vertigem

sempre fui da água
sempre flui água
e remo, e temo, e não temo

nunca foi nada
nuca, fuga, afaga
fluir

ê Serra do Cipó

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

na cidade a janela encerra todos os infinitos
e o cristo redentor abraça algumas nuvens
no apartamento do vizinho tocam músicas bregas
e aqui a minha vó traz as rabanadas

é preciso fechar os olhos para escutar a cidade
o doce silêncio que ela faz quando fecha os olhos
o silêncio de crianças abrindo presentes
e de pais conversando sobre o mercado de trabalho
e as primas bonitas falando de beijar
e as tias falando da última doença ou do pé inchado

deito no chão mesmo
a embriaguez do suco de uva e do pernil me contam causos
e descubro um novo risco no teto ao lado da luminária

é natal
tem gente nas ruas sem ninguém
sem comida
e eu aqui

talvez no próximo
eu saia por ai
fazendo alguma coisa

hoje eu to cansado de ser bom

no natal a gente pode ser até burguês né
tudo está perdoado

e amanhã
ainda vamos enterrar os ossos

a vida é bonita
tem coisas que deixam a gente triste
tem outras que deixam feliz

eu já tomei tristeza, já tomei alegria

hoje tomo poesia

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Memórias 1

Inauguro hoje, dia 17 de dezembro de 2009, uma espécie de autobiografia de coisas que eu lembro, e de lembranças inventadas. Se você leitor quiser saber ao certo a veracidade desses fatos e memórias, só posso responder citando o Manoel de Barros: “só dez por cento é mentira: o resto é invenção.”.

Uma das minhas lembranças mais remotas e a sensação de tocar na areia pela primeira vez. Não sei se é uma lembrança da sensação ou se é apenas uma sensação imaginada pelo jeito que minha mãe contou o ocorrido.

Era um dos meus primeiros dias numa creche, quando decidiram me mostrar o parquinho, onde tinha aqueles brinquedos e o chão todo de areia. Pensando hoje, parece que a areia é uma forma de evitar que as crianças se machuquem ao cair. Uma boa idéia. Pois sempre caem, é inevitável.

Eu devo ter pisado na areia e estranhado. Que coisa esquisita...o chão agora não é duro como os outros chãos...Deve ter sido curioso. E com aquelas perninhas tortas eu tentei andar um pouco na areia.

Pelo pouco que me lembro, eu devo ter estranhado tanto, que decidi sentar na areia e analisar aquele chão esquisito, com as minhas próprias mãos, numa atitude claramente experimental, de um futuro homem da ciência, instigado pelo conhecimento. Exagerei um pouco, mas ficou legal. É melhor guardar as imagens e sons com um pouco de exagero nas partes legais, nas partes que animam. Juntando tudo, a vida parece mais viva na memória.

----------------------------------------------------

Quando eu fiz 13 anos decidi mudar minha vida completamente. Já não era mais o mesmo Taiyo. Ou não queria ser. Definitivamente, estava entrando na adolescência. O primeiro passo foi na escolha do presente de aniversário.

Fui para uma livraria dessas enormes que vendem de tudo, direto para a seção de música, cds, dvds. Já tinha algo em mente. Dois cds: um do Jimi Hendrix que eu tinha lido sobre na revista Playboy, e outro do Black Sabbath...acho que era Black Sabbath ou AC-DC.

Segurei os cds nas mãos, todo confiante, e peguei uma daquelas maquininhas para tocar e ouvir o disco no fone de ouvido. Epifania: sem saber, deixei o volume no máximo. Sorte ou não (nada é por acaso), a primeira música do disco do Hendrix começava justamente com uma porrada na guitarra, uma palhetada forte pra cacete, muito alta e distorcida.

Aquele som fudeu qualquer neurônio da criança que existia em mim.

No natal, pedi uma guitarra:

“Igual a do Jimi Hendrix”.

Agora sim, a criança estava morta, e um longo período conhecido como adolescência estava para começar, com muito rock (Hendrix, Sabbath e Zepellin, drogas (guaraná, açaí e paçoca) e sexo (solitário). É triste mas é alegre.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

as paredes estavam me dizendo que eu era poesia.
e a poesia estava me dizendo que eu era parede.
antes de escolher, decidi pela dúvida:
não seria nem poesia nem parede:
seria o espaço e tempo entre elas.

sábado, 12 de dezembro de 2009

estou na minha antiga escola.
no pátio de baixo.

não era o pátio da goiabeira, nem o pátio do campo de futebol. no pátio de baixo, eu fazia a aula de teatro, já de noite. ali também era o palco para o campeonato de paredão. era preciso descer uma escada com degraus pequenos e um corrimão de madeira. já perdi as contas de quantas vezes caí feio daquela escada. meu joelho conheceu cada degrau profundamente. por outro lado, aquela escada proporcionou a descoberta mais interessante depois de que tudo era átomo: as bundas das meninas, suas pernas e coxas e tornozelos.

estou dormindo. no chão, como costumava fazer.

acordo e está escuro. como nas aulas de teatro. mas o pátio está completamente vazio. o latão do lixo está virado, como quando a gente jogava porradobol e eu gritava como um louco.

então ouço as cores da parede:

- você está proibido de contar o que vamos te contar agora.

e então as tintas da parede do pátio foram desenhando uma figura humana. era o meu reflexo.
o desenho era transparentemente real. espantado, olhava-me com olhar recém-nascido. foi quando, numa nova configuração visual, as tintas desenharam o ambiente ao redor do desenho, tornando-se reflexos perfeitos do pátio. confuso, não distingui mais o que era reflexo e o que era o verdadeiro pátio. decidi sair dali, tentei correr na direção contrária, mas, estranhamente, não conseguia sair do lugar. percebi que não havia outra dimensão no espaço, que não a altura e a largura.

voltei os olhos para a parede, que agora esboçava um escrito:

"Não tente fugir do que é seu"


quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

um dia a chuva fez uma poça
na porta da escola.

o muleque chegou lá
olhou pra ela
e viu a própria cara.

soltou um cuspe

eu ein, onde já se viu, mó macaco de imitação

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Felina

deita na cama
estica o corpo
vira e me chama
com olhar torto
joga o cabelo
gira os quadris
faz um gelo
pede bis
deita e aproxima
puxa meu braço
mia em rima
ri do que faço
vira de costas
puxa o lençol
sei do que gostas
puxo o anzol
arranha meu peito
torce o pescoço
vira de um jeito
arrepio no dorso
contorce e me quer
mia um pedido
felina mulher
que dorme comigo

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Ela

ela acorda abismos
e dorme escadas

ela colore músicas
e apaga falas

ela questiona o céu
e responde o mar

ela veste o sorriso
e tira o vestido

ela dança com meu corpo
e eu com o dela

ela confunde a lua
e esclarece a terra

ela se encaixa em mim
e eu protejo ela

ela me alcança
e molda uma dança

ela se protege
no meu abraço

ela é só ela
sem tempo
sem espaço

domingo, 6 de dezembro de 2009

uma menina
com uma ampulheta na mão
jogando dados de brinquedo
caindo e levantando do chão

azul
macacãozinho
toda a curiosidade do mundo
sem nenhum medo do desconhecido

o mundo é uma brincadeira
grande
que gira
gira
e deixa tudo girando
enquanto que a gente tenta
ficar de pé

uma menina com uma ampulheta na mão
e ela nem sabe o que é o tempo

(nem eu)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

domingo, 29 de novembro de 2009

nas linhas do teu corpo
descubro meu país

no teu ventre
descanso e canso
no teu umbigo
mergulho e bebo
no teu seio
me abasteço
no teu sorriso
me enredo
no teu mistério
descubro cidades e metais

os teus olhos bebem o céu
e tem mais força que as tempestades

dentro deles é fácil
desfuncionar o mundo e os abismos

nessa geografia táctil
enxergar com as mãos é mais seguro
e mais perigoso

na tua pele macia, nos teus pêlos
cultivam mel e frutas
na tua bacia
dois rios se encontram
entre tuas coxas

uvas roxas
mamão papaia
framboesa e morango

domingo, 22 de novembro de 2009

Aquilo

pra que tudo isso
precipício
edifício
desperdício
de palavras
de promessas
de passados
de processos
de personagens
e engrenagens antigas

pra que tudo isso
de esconderijo preciso
de mapas
de cartas
de rotas marítmas
e salas
e pistas
e falas e calas e rimas

pra que tudo isso
de siso
de saia
de sina
de saiba
de cisma
de sonho
de somos-estranhos

pra que tudo isso
de isso
de aquilo
de grilos
de calos
de pares
e passos
e partos
e pathos

pra que tudo isso
de certo
de perto
de sermos
incertos
de insetos
e setas
e metas
e alertas

pra que tudo isso?
pra que?

se o que a gente quer é aquilo?

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

domingo, 15 de novembro de 2009

Noite anterior

Não consigo dormir
a cidade está
engolindo os silêncios
e eu pensando em você

não consigo dormir
meu coração de motor
já deu voltas na cidade
deixando um cheiro de vinho
nas moças e nos apartamentos

não consigo acordar
dessa poesia
que você sonhou

eu só posso oferecer
o que está no mundo
quando a gente imagina

nas curvas do teu rosto
na sua cintura
nas suas entradas e bandeiras
eu descubro meu país

o coração de navio
sem bússula
quanto mais perdido
mais eu me aproximo
do alvo
do teu corpo e abismo
e engano o tempo

o teu riso deforma o horizonte
pinta um pensamento
do cheiro do azul

o teu riso deforma o poente

um pouco de caos no mundo


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

viajando na velocidade do som
o seu sorriso de combustível
atravessamos as paisagens da memória
da infância, segurando uma poesia numa mão
e um sorvete Itália na outra.

o mundo em backprojection
parece girar infinitamente
dentro de uma máquina absurda

você faz cinema com os olhos
eu só faço poesia com o mundo

caminhando com os pés no céu
de cabeça para baixo
o mundo invertido é bonito
o mundo dá pra ver melhor
de cabeça para baixo

mas quando olho teus olhos
o mundo está de cabeça para baixo de cabeça para baixo

o
x
i
a
b

a
r
a
p

a
ç
e
b
a
c

domingo, 8 de novembro de 2009

Limitedosom - vinhetas no Myspace


o projeto: vinhetas curtas, poesias concisas.
lembrando: disco do Lô (1972)

http://www.myspace.com/limitedosom

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Charrete

Eu lembro daquela foto.
às vezes eu me lembro daquela foto.
eu não lembro do que foi aquela foto.
eu lembro da imagem da foto.
às vezes eu sinto o que eu vi, quando tiraram a foto.
o menino estava correndo, junto com os colegas da escola, numa fazenda.
"Piperama".
o menino entrava em uma cidade em miniatura, uma cidade das crianças.
numa dessas casinhas, roupas de adulto, antigas. de quem eram?
o menino coloca a roupa e vê uma professora, ou uma dessas mulheres-senhoras que
cuidavam das crianças.
ela está com uma máquina fotográfica. ela tira uma foto.
o menino cresceu e hoje vê a foto.
o menino morreu, para nascer o garoto, e o garoto morreu, para nascer o homem.
Eu lembro daquele menino. eu não lembro daquele menino.
e na lembrança do menino?

como ele lembrará o homem?

domingo, 1 de novembro de 2009

zentimental

no brilho do sol que bate na janela
na janela do sol que bate no brilho

eu vejo só o miró do mirror
eu vejo, só, o sozinho de mim
eu vejo o Tejo e a liberdade
a pátria a morte oh liberdade
eu vejo o Oriente a oriente do oriente sorridente
o rio rente o Rio
eu rio do que vejo por que vejo o sole mio
eu canto o beijo que recebo do sol
na testa na cabeça no trem asul

zentimentos em meu peito eu tenho demais
zentimentos em meu peito eu tenho eu
o eu zente muito a minha mente
e zentimentalmente falando a gente não mente
fosse um samba seria canção
fosse uma cueca seria branca
fosse uma bandeira seria do Brasil

tenho em mim todas as respostas para as perguntas que elas geram
mas tenho em mim todas as respostas para as respostas que elas não respondem

fosse eu Deus e transformaria arte em ouro
poesia em ouro
e ouro em poesia

mas sou humano, demasiadamente humano
e só opero equações de primeiro grau
e ditado com 10 palavras. ponto final.

eu aprendi na escola como escrever as palavras
mas o significado eu aprendi na rua
em todas as minhas pequenas mortes
e pequenos nascimentos
em todos os cuspes e tapas na cara
e carrinhos do futebol

se você queimou aquelas poesias
feitas de caderno amarelo e lápis
só fez questão de ilustrar o que estava escrito
cinzas e promessas e futuros já passados

poesia de criança só serve para queimar papéis
e embrulhar balas ice-kiss

a verdadeira poesia
ficou guardada no meu futuro

a verdadeira promessa
já pegou o primeiro ônibus escolar

a verdadeira canção
eu cantei e esqueci

estou de pé e pulo e grito e gesticulo com o abismo
numa luta eu me domino e continuo a continuar
piso duas vezes no mesmo rio
jogo a piada no lixo
e planto um som no mundo

domingo, 25 de outubro de 2009

quando eu perceber
a alegria existente em cada mínimo objeto e em cada mínima criatura
quando eu perceber que a alegria é minha e Tua
quando eu perceber
que o Eu não existe
a alegria que persiste e me persegue, me fecundará do presente
quando eu perceber
a música do silêncio
a musa de-quando-fecho-os-olhos
a poesia dos corpos em movimento
a vida nascendo nas nuvens
os sonhos trazidos pela chuva
a história dos meus ancestrais
a minha história ancestral
o meu futuro ancestral
o nosso futuro ancestral
quando eu perceber
que perceber é mais Ser do que ter
quando eu dar sem procurar receber
quando eu perder o medo
da morte
do desafio
de revelar a minha ignorância
quando eu perceber
que somos Um

será poesia

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

coisas

é difícil aceitar
mas as coisas acabam.
até uma poesia acaba.

o fim é uma etapa importante
de todos os processos.

a memória acaba?
pode ser. até a memória pode acabar.

é preciso o fim para que venham novos começos
e novos fins para outros novos começos.

o fim evidencia a mudança, o movimento do mundo.

a saudade acaba?
pode virar memória. e até a memória pode acabar.

saudade só tem no português. maldita e linda língua essa que
espalha saudade pelos portos. até a língua portuguesa terá seu fim.
fernando pessoa, de certa forma, voltará para o rio de sua aldeia, o rio nenhum,
em formato de pó e silêncio.

e o amor?
o amor pousou de levinho em nosso futuro, só pra fazer cosquinha, contar causos
e partir,
mas deixou o sorriso. o amor é generoso. deixa coisas, mesmo que seja nada,
deixa coisas.

coisas que não pesam e pesam mais do que bagagem
coisas que lembram do futuro
coisas que resolvem poesias
coisas feitas de pedaços de parede e mel
coisas pequenas que você deixou cair
coisas que voam de carona em perfumes
coisas que alguém se esqueceu de dizer e vento às vezes trouxe

coisas

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

penso, não existo.

porque pensar é não existir.

quando eu existo, não penso.
se penso, não existo.

tudo aquilo que existe, não pode pensar.
a partir do momento que algo pensa, deixa de existir

e passa a amar.
eu guardo as palavras dentro da boca
e mastigo, castigo

eu guardo sentimentos no peito
e grito, mito

histórias que existem desde o começo do mundo
desde quando as águas andavam na face do nada
e quando o verbo se fez árvore

dentro de mim tem uma casca
e fora tem um centro

quem quiser saber meu nome
é só olhar no espelho
remando hoje eu vi uns peixes pulando
e umas aves mergulhando n'água pra pegar

estava um pouco nublado. um clima ameno.

a melhor maneira de remar é fazer parte barco e o barco fazer parte da água.

a melhor maneira de amar é fazer parte do mundo.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

a porta se abrindo com você se escondendo atrás
o cheiro de seu pescoço.
o calor entre o seus cabelos e nuca.
o quarto bagunçado.

cada pedaço da tua casa está no meu corpo

terça-feira, 6 de outubro de 2009

se meu coração fosse um espelho
ele refletiria
se ele fosse um reflexo
ele fingiria

as batidas de coração
vêm do centro da terra
um centro onde todas as bocas do mundo
urram

se as batidas fossem minhas
elas seriam de todos
em cada boca e em cada beijo
se espera um segredo
embrulhado em saliva

se meu coração fosse de plástico
estaria boiando na baía
com uma carta ainda vazia
que eu mesmo leria
um dia

se meu coração fosse seu
ele seria meu

se meu coração fosse real
ele seria feito de sonhos

o mundo dorme sonos dogmáticos
e nós preparando o jantar para a morte

se meu coração fosse
ele seria

domingo, 4 de outubro de 2009

às vezes a poesia nasce quando a linguagem cessa
o Sol canta perguntas desafinadas
para a Humanidade desresponder
é só olhar para a distância
é só não responder as descobertas
é só escolher a fruta que não caiu e que não nasceu
florir de mulher o sorriso
desentortar o próprio umbigo
e olhar o torto da alma e do corpo
em um só sol sustenido

sábado, 26 de setembro de 2009

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

ontem descobrirei a minha mão voando aqui no longe.
amanhã o seu antigo sorriso me contou um segredo.
é preciso ter medo para conquistar a poesia

domingo, 20 de setembro de 2009

A Melhor Poesia que eu Já Li

pode ser uma gota de chuva que cai no metal do ar-condicionado e faz um barulho
pode ser o barulho das teclas do teclado do computador enquanto eu digito esse poema

essas pequenas coisas são pra mim as mais valiosas
porque elas são a minha existência

a minha namorada dormindo na sala
no sofá da sala
e o mundo podendo terminar nesse instante

estou feliz
feliz como alguém que sonhou e lembrou
que o sonho era gostoso

estou feliz como quem ainda não acordou de um sonho

estou feliz como daquela vez que olhei pro mar numa praia que não me lembro
e pensei comigo
estou feliz

e se o tempo é mesmo relativo
eu posso engrandecer esse momento
torná-lo um quadro
um poema

e toda vez que eu o ler
vou sentir a mesma sensação

pra mim, vai ser uma ótima poesia
foda-se a linguagem, as normas ou transgressões delas

pra mim,
essa é a melhor poesia que eu já li

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

você já esqueceu as havaianas na praia?
esses chinelos na infância são quase como
canetas bic

para onde vão as canetas bic perdidas?
você já achou uma?

você já estava pegando um jacaré em búzios, leblon
e, no meio da onda, avistou uma havaiana, ou melhor, duas, juntas,
pegando a mesma onda, como que calçando os pés de um surfista fantasma?

já disseram que as canetas bic são o símbolo maior do socialismo.

mas eu não quero falar de canetas bic.
quero falar do serumano. o serumano é um negócio que me intriga.
computadores vão compor sinfonias e pintar quadros.
mas o seruamano resiste, mesmo perdido.

um amigo do c.a tinha um estojo manerão. era retangular, de madeira, com uma tampa que encaixava. tava na moda esse tipo de estojo. eu era fissurado naquele estojo.
troquei com o cara. nem lembro o que aconteceu com o estojo.

eu tinha um videogame nintendo com várias fitas. jogava direto.
mas ai fiz 13 anos e quis tocar roquenrol na guitarra.
vendi tudo. até gameboy. e comprei uma Stage tipo strato do Jimi Hendrix.

nem lembro o que aconteceu com a Stage.

as coisas perdidas, mesmo perdidas, resistem.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Carta para o Fim de um Namoro

o que mais me irritou não foi a tua cara
foi o disco do bituca que você pegou
sem ter me pedido

eu perdôo tudo, as palhaçadas
aquela vez que você ficou bêbada
mas o disco do bituca...

o que que deu errado com a gente?
eu sei, fui eu e foi você
mas parecia durante um bom tempo
que era certo

agora as coisas ficaram um pouco mais difíceis por aqui
não podemos nos falar como antes

é diferente

eu sei que você queria, mas, só escrevo essa mensagem agora
porque só agora pude escrevê-la

quero que lembre dos momentos bons
as coisas que ficaram realmente
no teu coração
e no meu

ass: F. P. Tostes

psicografia do médium Almeidinha


-----------------------------------------

isso foi uma proposta de texto do somesentido.blogspot.com

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Meus olhos estão voltados para o tempo
e movimentam-se como não houvesse tempo

meus olhos estão voltados para o mundo
e movimentam-se como fossem meus

meus olhos estão voltados para o retorno
o eterno retorno que volta nos meus olhos

meus olhos estão voltados para os meus olhos
e vejo o tempo desvencilhar-se dos sentidos

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Emails para Natasha - Parte V

dia 23. escrevi no meu caderno, ontem, coisas que gostaria que você lesse. não é que eu esteja com saudade da vida na cidade. acho que eu sempre tenho saudade de onde não estou. mas quando estou também sinto. então não dá pra fugir. escrevi no caderno em cima da Pedra Riscada, em Lumiar. é uma visão lá de cima. parece aquele quadro alemão, do romantismo alemão, não lembro bem quem era, do cara em cima de uma montanha, de costas, olhando o horizonte montanhoso, cheio de neblina. percebi uma coisa. o mais difícil não é subir, e também não é descer, mas estar sozinho. tanto que às vezes me imagino cercado. parece loucura, mas sinto como se estivesse na companhia de muita gente, no meio do mato fechado, com o grito estridente da araponga e o barulho das folhas. escrevo no caderno também não sei porque. parece as fitas brancas que algum grupo colocou em alguns galhos, durante a trilha, para indicar o caminho: eram brancas, quase não dava pra ver. mas estavam lá. escrevo como quem faz uma trilha e deixa rastros.
dia 24. se eu dissesse que nada de interessante aconteceu, só isso já seria alguma coisa. pois então digo que uma coisa me chamou a atenção. hoje vi um cão de cadeira de rodas. sim, um cão. era uma cadeirinha pequena, com duas rodinhas de bicicleta. parece que ele está com as patinhas traseiras quebradas. anda arrastando as duas da frente e a rodinha roda. um cão de cadeira de rodas.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Emails para Natasha - Parte IV

o trem para Tiradentes é uma coisa de outro mundo. primeiro porque é antigo pra cacete, é uma maria fumaça, bem estreitinha, barulhenta, vermelha, cruzando São João e as fazendas até Tiradentes. e segundo porque a gente vai passando por pessoas, aquelas que me lembram a viagem da escola, as crianças dão tchau, passando rápido junto com a paisagem. a vida acontecendo e passando pela janela, o vento saboroso na cara, a fumaça do trem. tinha um menino, e desde o momento que o vi percebi que era muito parecido comigo criança. ele chupava um pirulito daqueles de vendedor na madeirinha tlec-tlec, tinha cabelos noturnos como os meus, e olhava o horizonte, como sempre fiz. tirei uma foto dele.
comi frango ao molho pardo numa panela de barro bem grande. sentei no banco da praça. olhei e vi as crianças, como pombos em volta do pipoqueiro, em volta do vendedor de bolhas de sabão. as bolhas refletiam a luz do sol da peneira das grandes árvores expressionistas enraizadas na praça. foi então que uma delas foi voando na minha direção. uma criança veio seguindo e ela, vagarosamente, parou no ar, entre nós dois. esplodiu. eu e o menino levamos um pequeno susto, e percebemos a nossa proximidade. era o menino do trem. engraçado, senti novamente o que tinha sentido naquela pousada fedorenta, olhando no espelho do banheiro. senti que eu não reconhecia mais aquele rosto. mas mesmo assim ainda era eu.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Emails para Natasha - Parte III

dia 14. a gente nunca sabe o que nos espera, não é mesmo! tanta coisa aconteceu nesses dois dias e tanta coisa não aconteceu do que havia planejado, que só pude escrever algo agora, neste exato momento, aqui numa pequena lan house de São João del Rey. Meu ônibus quebrou perto de Juiz de Fora, ainda bem que foi perto de uma parada, um restaurante, e demorou tanto pra arranjar tudo que peguei minhas coisas, eu não tinha nenhuma mala pesada, e saí do ônibus, e conversei com umas meninas que estavam almoçando. bonitas elas, a morena se chama Paola, é descendente de italianos (tem uns peitões daqueles de filme de Fellini, boca carnuda, coxas grossas) a loira (falsa loira) é a Deyse, usa um óculos de professora do primário, um pouco mais feia que a Paola, mais ainda sim bonita. As duas são do Espírito Santo e estão indo conhecer as cidades históricas. Depois de algumas conversas, alguns guaranás, elas me aceitaram na carona. No caminho, inventei uma história de que eu era artista (eu disse que era famoso ai no Rio), falei das poesias, e tal, fiz o jogo e elas fizeram os delas. As coisas foram acontecendo rápido e eu me lembro pouco do que aconteceu no quarto do hotel aqui em São João. Ah, bom, esqueci de mencionar a pinga daqui de Minas mesmo que compramos, boa! E então só lembro de flashes, pedaços de braços, pernas, bocas, vertigens, os gritinhos delas, o cheiro de pinga e de gozo que sujou a cama toda. Acordei com a cabeça explodindo, e como se o corpo tivesse separado da cabeça, lembrando daquela piada que o Diego contava "Deus deu ao homem 2 cabeças mas sangue o suficiente pra só 1 funcionar por vez". O cheiro do quarto era uma mistura indefinível de suor, mofo, e pinga. Para a minha surpresa, as duas não estavam lá. Tinha um bilhete na cabeceira: "fomos pra Tiradentes". Me levantei sem pressa e liguei a TV, estava passando um programa hilário sobre rock, era um mineiro, bem mineiro falando a história do rock e os diferentes movimentos do gênero. enquanto isso fui no banheiro e levei um susto quando me olhei no espelho. não reconheci o meu rosto. fazia tempo que eu não me olhava no espelho. mas o rosto que eu vi não era de um cara triste. aliás, era o rosto de um cara diferente, ou seja, tudo o que precisava, a pessoa que eu precisava pra me ajudar a mudar a minha vida estava ali, na minha frente, num espelho do banheiro de um hotel em São João del Rey. a gente não sabe mesmo o que o amanhã vai trazer. vou ter que sair daqui, meu tempo de internet acabou, e hoje vamos andar pra conhecer a cidade. ah, sim, pode deixar que eu não me esqueci do César.

Emails para Natasha - Parte II

dia 12. estou indo embora daqui. aquela sua resposta trouxe uma nova vontade de rever Minas Gerais. eu sei que parece estúpido, mas é a única maneira. estou devendo até o pão na padaria da esquina aqui da rua. você sabe que eu sempre fui assim com o dinheiro. tem gente que liga pra marcas, roupas, jóias, carros, e você sabe que eu to pouco me fudendo pra isso. gasto mesmo é com comida e livros. gasto sem pensar. acabo gastando mais do que tenho. gostei do que você disse, eu também demorei para entender que desde quando nos conhecemos na época da escola, não conseguimos dizer o que realmente sentíamos. ainda guardo algumas fotos daqueles tempos, e toda vez que as vejo vem um cheiro de acne, suor, que deveria ser nojento, mas pelo contrário, me faz bem como cheiro de terra molhada.
há essa hora, você provavelmente deve estar dormindo, e quando acordar eu já vou estar no caminho para Minas, com vento na cara, escutando Clube da Esquina no mp3, dormindo, acordando, babando, olhando as vacas, as fachadas com grafia errada, os esfarrapados em pequenas bicicletas, os vendedores de mel, e tudo aquilo que a gente viu naquela viagem da escola. Foi bom saber que você está bem, que está tudo certo ai com o Roberto. Eu to aprendendo a gostar desse cara, de início eu o odiava. Mande notícias sempre, ein? Se esse babaca fizer alguma coisa...
Como prometi, comprei um caderninho para escrever durante a viagem. Ah, pode deixar que eu vou procurar esse tal de César. É só dizer que sou seu amigo, não é?
To com um frio na barriga, mas não é de medo, cagaço, apesar de parecer. Às vezes eu sinto isso antes de entrar no palco. É como se a barriga estivesse comendo ela mesma, se corroendo. Não consigo dormir. Só de pensar nas coisas por vir, nas paisagens da janela, na concretização dos nossos ingênuos sonhos de criança, dá uma vontade de escrever e aqui estou, com saudade de tudo, da gente, da escola, e até do que acabo de escrever, sinto tanta saudade da vida e dos segundos que passam que até sinto saudade dessa frase, não consigo terminá-la, preciso escrever, preciso, a vida é muito bonita para a gente dormir, amanhã espero a sua resposta e as coisas que ainda vão acontecer.

Emails para Natasha - Parte I

era a primeira vez que eu estava dizendo a minha história, a verdadeira, e não aquela que eu te disse antes da morte da tua avó. você estava desamparada, eu não podia contar tudo aquilo. tudo isso. o lance é que nesses três meses muita coisa aconteceu, diferente, muito diferente do que eu mesmo imaginei que aconteceria. os meus emails esparsos demonstram a instabilidade cambaleante em que tentava sobreviver. a verdade é que os papéis do meu suposto livro se acumulavam, espalhados pelo apartamento inteiro, o vizinho até reclamou quando escorregou num deles, que saía da fresta da porta da frente. eram tantos e em lugares tão inusitados que só a tarefa de juntá-los seria maior do que a realizada na própria escrita. peço desculpa pela demora, mas só hoje encontrei a parte que realmente queria te mostrar. não saberia explicar exatamente como aconteceu. já tinha ouvido ou lido experiências de quase-morte, nas quais as pessoas se deslocavam de seus corpos, viviam uma realidade paralela ao corpo, tinham visões de familiares já mortos. posso te dizer que foi algo parecido. coloquei o cd do Lô, aquele do tênis, e numa velocidade impensável escrevi umas 37 páginas. eram imagens da infância, misturadas com brigas familiares, sonhos, pesadelos, acontecimentos banais, e que na verdade, coisas que nem sabia explicar o que eram. foi então que percebi que não era eu quem escrevia, ou era, pois me vi fora do corpo olhando-me a escrever no computador. você pode imaginar a sensação maluca, começei a suar frio, e rezei, como nunca antes tinha rezado na vida. chamei Cristo, Buda.
e, então, nesse ato que te falei, chamei por você. é sério. eu também só fui entender isso na tarde de hoje, quando acordei. eu cansei. cansei do que eu era, do que a gente não era ainda. eu, fora do corpo, percebi que te amava. você pode imaginar também o quanto isso é confuso pra mim. mas é a mais pura verdade.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Não me recordo

Não me recordo a primeira vez que pisei na areia.
O que ficou, relatos de minha mãe.
Parece que estranhei.
Algumas imagens perduram, outras não, como se ainda não existissem, mas já passaram.
Filmes que no final você jura que já viu antes. E viu.
Frases escondidas em pequenos movimentos do cotidiano.
Silêncios e sombras que já estavam lá antes.
Demora-se um tempo para perceber quem somos.
Ainda mais tempo perceber o que somos.
E estamos sempre, ainda, buscando um sentido.

Não me recordo a primeira vez que escrevi poesia.
Provavelmente, foi por uma menina.
Ou, por mim mesmo.
As correrias da infância são mais donas de mim que eu as sou.
A cada instante meu corpo indaga esse formato atual. Cresci muito.
Mas serei o mesmo?

Quando eu tinha consulta na pediatra, sempre escutava um pouco temeroso quando diziam que eu teria um metro e noventa. Estiquei. Tenho quase isso. Um e oitenta e seis.
Parece que isso teve algum efeito na minha alma também, no meu jeito de enxergar o mundo.
O mais óbvio é a minha miopia. Vejo tudo embaçado.
O mais óbvio é a poesia.
Vejo tudo embaçado.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

repercussões do filme "A Partida" na minh'alma

ele olhou os olhos dela.
e foi isso.
um homem olhando os olhos de uma mulher.
todas as histórias do mundo existem aí.
ele fechou os olhos e viu todas as histórias do mundo.
ela fechou o mundo e viu todas as histórias.
e como uma janela sem cortinas ao avesso
eles viram a poesia.

ele olhou os olhos dela
e a poesia sorriu.

nos rostos das pedras portuguesas
o tempo caminhava mancando
o tempo olhou o relógio
e pulsou

o homem olhou a mulher
e ela teve um filho
e eles morreram

o rio flui
o rio tenta subir o salmão
o rio faz toda a sua força
para subir o salmão
e acasalar com a nascente

de que vale o esforço do rio
para subir o salmão
se o rio vai morrer
e o salmão vai cair no mar

eu jogava pedrinhas n'água
para ver quantas batidas faria

o máximo que consegui foi
iludir a pedra

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

a cada três esquinas encontro a mim mesmo
nesse mundo e no outro
cada descoberta de América é um segredo
um mar entre os rostos

as cores explodem na minha boca
e começo a cantar uma dança
escrita nas paredes da escola
um, dois, três milênios atrás

o sorriso da mona lisa no estandarte
aparece com um feijão no dente
com a miséria do mundo
nos dentes

terça-feira, 25 de agosto de 2009

aprendi como se é preso
em filmes
bebi coca cola
e decorei as paisagens de nova iorque
em todas as décadas

corrijo na rua um assalto amador
com os movimentos que aprendi
de bandidos
dos estados unidos

sei jogar beisebol
e cantar o hino que o jimi hendrix tocou em woodstock há
40 anos atrás

uso jeans
do james dean

e gosto de samba de raiz

sábado, 22 de agosto de 2009

- Olha essas estrelas...
- É...
- Agora, você já pensou que, um dia, pode estar lá?
- Imagina.
- Às vezes eu me pego olhando as estrelas.
- Meu pai falou que era melhor eu não ficar pensando muito nas estrelas não.
- Por que?
- Ele disse que eu posso ficar maluco.
- Ah...

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

"A vida é um ringue onde não há oponente mais forte que a sua própria sombra."
Foi o que ele me disse, depois de cuspir o sangue da boca.
Minha mão estava doendo.
Foi a última vez que o vi.
Depois disso, larguei tudo. Foi como se tudo o que eu tinha construído até aquele momento não significava nada. Eu precisava sentir o vento na cara.

Na estrada as coisas ficam mais leves. O vento na cara ajuda a limpar as sujeiras da cabeça, as sujeiras que não saem no banho.
"A vida é um ringue...". Idiota. Por que? Por que? Se ele ao menos tivesse falado comigo. Mas agora é tarde. Mais um, garçom. Bares são iguais em qualquer parte. Homens idiotas e bebidas. Só os garçons tem mães. "Só os garçons...". Sem querer eu repito todas as frases dele. Dizem que até o jeito de andar, de falar, é igual. Quando falam isso me dá nojo. Dá vontade de sumir. Saí sem pagar a conta. O segurança encostou em mim. Agora ele vê dois de todo mundo.

Antes eu não faria isso. Agora, já não tenho nada a perder. Vou perder o que?

A estrada é uma coisa bonita. Hoje eu chorei, olhando a estrada. As coisas que passam, as casas ferradas, as crinças ferradas, os pneus furados, os cadáveres de cachorros. Isso me emociona. Não sei por que. Isso me emociona.

domingo, 16 de agosto de 2009

Fazendo uma poesia

Hoje, depois do almoço, estava com muito sono.
No entre-sono, quase-sono, escrevi alguns versos.
Comecei assim:

"Eu quero a ausência de um domingo"

foi a frase inicial que me veio. isso acontece de vez em quando.
uma frase vem. e dela o resto nasce. como se a frase fosse a semente da poesia.

continuei

"Eu quero a ausência de um domingo
e só"

às vezes ficamos procurando as palavras. às vezes ficamos perdendo as palavras.
então escrevi algo que estava procurando sentir. isso acontece também. você escreve como uma forma de sentir

"Eu quero a ausência de um domingo
e só
chegar ao ponto de não pensar
na vida
na morte"

às vezes você de certa forma desiste daquele caminho

"Eu quero a ausência de um domingo
e só
chegar ao ponto de não pensar
na vida
na morte
natural só um satélite feito a Lua
que é mais feio do que você"

essa última frase me trouxe o que eu realmente queria falar.
isso acontece bastante na poesia. você fala muitas coisas para conseguir achar o que realmente quer falar. aquilo então é a poesia.

a última frase me trouxe uma coisa infantil, que eu estava buscando. tenho buscado bastante uma espécie de libertação do pensamento, do jeito de pensar 'normal'. tenho tido vontade de falar como falava criança. então a verdadeira poesia começou e veio numa tacada só. com velocidade.

geralmente acontece isso. quando se sabe o que vai falar. quando você sente que ali tem petróleo, que o chão é fértil, a poesia vem acelerada.
veio assim:

----------------------------------------------------

eu sou pequeno
mais menor do que um pedaço de unha
caído no canto da sala que tem uma
dona aranha cuidando
com suas patinhas e teias

eu sou bem pequeno
menor do que o brilho que tem
nos seus olhos
quando você chora ou sorri

eu sou muito pequeno
que quase sumo
quando você pisca

enquanto você lê
enquanto
essas palavras
também somem
e só restam
os sonhos, os amores, as promessas do mundo

------------------------------------------------------

não sou de reescrever poesia.
pode ser um grande erro, de principiante.
ou talvez seja o meu jeito de errar.
aprender com os erros.

é difícil se criticar. O blog está ai pra isso também.
Gosto de saber opiniões, dúvidas, sentimentos dos leitores.

Ainda estou procurando a poesia.

e nunca vou achar. Ainda bem.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

a janela bate no sol
latido de passarinho
canto das britadeiras do rio
um raio de sol corta o Nilo
onde a civilização morreu

por um segundo de destino
eu não escuto a bala perdida
no longe dentro de mim
que pousou
no meu coração

a paisagem bate no sol
e fica tudo nublado
de luz

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Diálogos Catárticos - cena I

- Fui eu.
- Não acredito.
- Pode acreditar.
- Como pode?
- Não sei.
- E agora?
- Não sei. Não sei. Eu nunca...
- A gente tem que limpar tudo. A gente tem que limpar essa sujeira toda.
- Minha camisa tá com sangue.
- Eu não acredito! A gente tinha combinado outra coisa!
- Meu tênis também...
- Você tá me ouvindo! Não era esse o combinado!
- Não grita comigo não! Você não tava lá! Você não tava lá! Você não viu os olhos dele, você não tava lá e olhou, de frente, olhou bem nos olhos dele!
- Pára!
- Isso, chora, você num ia aguentar um segundo olhando os olhos dele.
- Não era pra ter sido assim. A gente falou que não ia...
- Foi um acidente!
- Como pode? Como pode? O Juninho, porquinho preferido do Dudu...
- Não sei...
- E o que eu digo pro Dudu? "Papai matou o Juninho"?"Hoje vamos comer porco, Dudu"?
- Diga a verdade. Ele já é grande.
- É. Já está quase um homem.
- Quando eu tinha a idade dele, já tava matando, e não era porco não, era gente mermo.
- Eu lembro.
- Então. Vai dizer?
- Tá. Mas pelo amor de Deus, limpa isso ai. Mais em cima.
- Eu te amo.
- Sei.
- Dudu? Você tava ai?
- Dudu, meu filho! Você tá ai há muito tempo?
- Dudu! A arma do papai! Coloca no ch...
- Gomes!!! Ahhhhhh!!!
- Mãe, fica quieta.
- Meu Deus!!!
- Fica quieta!
- AHHhhhhh...
- Agora sim. Já falei pra não mexerem no meu porquinho. Eu sempre falei pra não mexerem no meu porquinho! Vocês mexeram no Juninho, porra!!! Vocês não tinham o direito!!! Ouviu mãe, ouviu?

terça-feira, 11 de agosto de 2009

quem não chora ouvindo Milton Nascimento

não sabe o que é viver

Primeira namorada

A festa estava rolando.
Mas eu sentei no banco que tinha ali
depois de andar um pouco
o som abafado
de festa no longe

Sentei e pensei
na vida

nas palavras que não saíram da minha boca
quando ela sentou do meu lado

o silêncio sempre me acompanhou
quando eu estava sozinho

o silêncio foi minha primeira namorada

sábado, 8 de agosto de 2009

Saudade

Eu comecei catando latas. Depois transformava-as em arte. Esculturas, objetos de decoração. Quem me falou sobre isso foi o tio Roberto. Ele disse que as coisas podiam se transformar em tudo aquilo que a gente quiser, que a gente imaginar.

Então eu me transformei. Dei-me asas. Voei ao redor do mundo. Percebi que o mundo cabe na palma da visão. Percebi que a Terra tem mais água que terra. Percebi que as pessoas vivem amontoadas, tem muito espaço vazio sobrando. Bateu uma saudade. De quando eu não sabia nada.

Então eu me transformei. Cortei-me as asas. Escolhi um pequeno círculo de terra para viver. Estrategicamente escolhido, havia água, terra, sol, vento. Percebi que existe uma força maior do que podemos entender. Isso me intrigou. Decidi imaginar o que seria essa força.

Então eu me transformei. Dei-me a força. Criei, da água, da terra, da lama, um homem. Não sabendo ao certo como fazê-lo, fiz minha própria fisionomia. Terminei e contemplei. Faltava algo.
Faltava a saudade que batia em mim. Criei uma saudade feita de passarinho. Coloquei no coração do homem. O homem então chorou. Fiquei feliz.

Então eu me transformei. Cortei-me a força. Fiquei nu. Decidi virar algo inútil, pequeno, frágil, sem valor. Virei uma lata. O homem ainda vai me catar. Quando isso acontecer, passarinho vai voar do coração e pousar de novo da minha mão. Pra saudade voltar pra mim.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Pequenos tesouros

Há vinte anos eu não caminhava por aqui. O chão mudou, a parede. E mesmo mudados, consigo ver e pisar e tocar no que foram. É como se tudo estivesse miniaturizado. Na verdade, eu é que cresci. Os olhos das crianças já me dizem mais coisas sobre o mundo do que diziam quando, com eles, eu olhava o mundo. Não tem mais inocente.

Olha, era aqui nesse pedaço de chão que a gente costumava sentar. Eu gostava de dormir no chão. Dormir em qualquer lugar. A camisa da escola era branca, mas ficava cinza, encardida, suja de chão. O que estou fazendo aqui? Nada do que eu pensar vai trazer de volta aquele tempo e principalmente aquele espaço. Olha, era ali a parede onde a gente jogava bola. Ainda tem algumas marcas de bola. Eu as toco.

Eu sempre pensei que acharia tesouros escondidos. Eu deveria ter escondidos alguns. Talvez agora os achasse.

Aqui era o refeitório. Como estão pequenas as mesas e as cadeiras. Foi aqui que o Pedro declarou o seu amor pra Manu. Aqui eu imitava o Jim Carey. A mulher que servia a gente tinha um problema de fala. Ela não falava "frango", falava "fagango". Coitada. A gente zoava ela. Pedia pra ela repetir qual era a comida do dia, só pra ouvir ela falar "fagango".

E de repente, reconheço um menino. Ele vem caminhando na minha direção. Sou eu mesmo. Ele pede que eu o siga. Sigo. Entro num lugar meio escondido, no almoxarifado antigo, muita poeira, pedaços de madeira. Por entre os escombros, uma pequena porta. O menino, eu, entra e fecha a porta. Das frestas da porta vejo uma luz. Coloco a mão na maçaneta. Abro-a.

Acordo num quarto. O quarto é vazio, tem apenas um colchão, uma escrivaninha velha, de madeira, o quarto é escuro, as paredes são de madeira escura. Da porta do quarto, escuto uma música. Parece uma flauta, daquelas árabes. Um som estranho. A porta é de vidro fosco, e consigo ver a silhueta de um corredor. Das frestas da porta entra uma névoa, uma fumaça. Um cheiro estranho. Talvez um incenso. Oriental.

Abro a porta e lá está o corredor. A música aumenta. Eu nunca ouvi essa música na minha vida. Eu sempre ouvi essa música na minha vida. Sinto-me envolvido por forças desconhecidas. Não há necessariamente gravidade, nem as leis da física nesse local. Sinto como se estivesse num espaço artificial, criado pelas circunstâncias da minha mente, seguindo apenas as maleáveis convenções dos sonhos.

Acordo em meu quarto. Estou paralisado. Meu corpo está completamente paralisado. Tento gritar, a voz também não sai. Há vinte anos eu não caminhava.

Dormindo em qualquer pedaço de chão, estava ele. O menino sorriu e me mostrou um senhor, deitado no chão. Ao perceber em seus olhos a vida que sonhava, pedi para o senhor que me seguisse.

Fui até a porta. Abri.

Eu sempre procurei tesouros escondidos, nos olhos das pessoas.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Poesia sobre São João del Rey

perdi um papelzinho de caderno
onde estava uma poesia
sensacional
falando de São João Del Rey.

então vamos fazer o seguinte:
pense nessa poesia.

eu quero que você invente essa poesia
do jeito que você quiser

o importante é falar de São João Del Rey
ser bonita, sabe, uma poesia bem bonita

isso.

Numa Igreja em São João Del Rey

depois do casamento
quase é possível ver
as pessoas antigas
com suas roupas antiquadas
a formosura
as crianças brincando
um cheiro perfumado
de perfume barato
sabonete desses de farmácia
do interior: pharmácia

todos em seus melhores trajes
a vida acontecendo
em cada sorriso - o sino badala -
os sapatinhos da menina
brilham na noite

uma festa colorida
de pretos, brancos, mulatos,
brasileiros
o que quer que seja brasileiro

as coroas bem cuidadas
- deve ser o friozinho
a comida
a vida, enfim
o ritmo da vida
que pulsa mais lento

procisão
feliz

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Cenas

ele andou pela calçada da praia
abriu as calças
e fez xixi na areia
escrevendo a palavra
"amor"
na areia

do outro lado da cidade
a mulher dele
chorava no chuveiro
depois de ter tomado
vários remédios
e uma garrafa de vinho
barato

no apartamento do lado
não tinha ninguém
só o johnny
o cão da família
na varanda
olhando o passarinho que pousou

e depois voou

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A vida tem algumas coisas que eu acho interessantes. Na verdade, ela toda é.

a vida na prática
é impraticável

a luz na piscina
me lembra um filme

seus olhos
distantes
como se fossem os meus

um cão late ao fundo
passa um avião

estou sozinho
com você no coração

rimou,
mas não era pra ter
rimado

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Lavagem Nasal com Soro Fisiológico

a sinusite parece você
um catarro dentro da minha cara
uma força atrás dos olhos
impregnando os brancos com um tom de Ré diminuto

sinto seu corpo dentro da minha cara
nos passos redondos de uma doença
a dança de catarro entope o próprio torpor
transformando o travesseiro em crença

a sinusite parece você
por mais que eu insiste
a sinusite, parece você
um c
........a
..........t
.........a
............r
...........r
.............o

sábado, 4 de julho de 2009

Quero dormir nesse orvalho

.
quero dormir nesse orvalho
eu não valho nem uma gota caída
e a saída de mim mesmo dá trabalho

quero dormir nesse orvalho
e num ato falho reviver o que sou

quero dormir nesse chão
e de tão cansado acordar
tomo ar como alimento
respirando o vento que pousou

quero dormir nesse orvalho
e virar só sono
virar o orvalho
dormindo em mim

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Tem alguma coisa

acordei com a vontade de dormir o novo
entregando os lençóis ao mar, num fio de Sol

repousando as mãos por de sobre o mundo
o vento bateu asas nos meus olhos
e eu enxerguei o futuro

o futuro teve que tirar os quatro sisos
de uma só vez

o céu de açaí brotou
e a memória correu maratonas

1- longe, bem longe, quase consigo ver a palma da minha mão voando

5- existe um lugar, perto do nunca, que eu nunca fui

Gomes relata:

- Era noite. Na Urca nem um gemido. O mar batia nas pedras. O meu carro atravessou, rápido, como um tiro. Matei a cidade. Menos eu sobrou vivo.

A Imprensa informa:

- Escândalo revelado! foi encontrada uma poesia com 3 tiros.

3- "Parte de mim se vai no infinito"


acordei com novas páginas nos olhos.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Preto ou Branco

girando, girando
na luta contra o tempo

você corria pra frente
andando pra trás

nem homem, nem mulher
nem preto, nem branco
nem adulto, nem criança

mas tudo e ao mesmo tempo
nada

terça-feira, 23 de junho de 2009

Passeio

.
.
foi nas paredes da creche
que eu escrevi um poema
em canetinha colorida
acho que era da cor azul
não tinha internet
e a Altaíza catava piolho da gente
 
escrevi um poema
falando das coisas que eu não sabia
o poema era em desenho
eu não me lembro bem
mas eu acho que era bonito
 
desde daquele dia
eu exagerei nas palavras que eu via
nas paredes das creches e da minha casa
e da minha cidade
do meu planeta
 
nunca mais usei a cor azul
para exagerar o mundo
 
começei a contar piadas
depois de ver filmes de comédia americana dublados
eu aprendi a fazer caretas vendo filmes
e fazia careta pras meninas rirem na hora do recreio
na hora do almoço também
 
ai eu me apaixonei por um silêncio
que morava no pátio da escola
que tinha um árvore chamada goiabeira
 
lá tinha aula de teatro
em que eu fazia o papel de um relâmpago
e corria de um lado pro outro
rápido pra caramba
 
eu também comecei a escalar as paredes de pedra
talvez com a intenção de encostar no azul do céu
e/ou rabiscar o céu com outra canetinha
e ver se dava pra apagar passando a Lua
 
quer ver: tinha o André, o Guilherme Estragado, o Diego, o Albieri, o Komatsu,
o Heitor, o Pedro Pereira, tinha a Manuela, Heloísa, Yabrudi, Nycia, Amanda,
pra falar da galera que jogava paredão
 
o Freihof ficava me sacaneando na pista de dança da Vogue
quando tocava macarena
acho que ele não gostava porque não sabia dançar direito
é meio complicado guardar os movimentos da macarena
 
tinha cada um jeito
tinha um que gostava de dinossauros, queria ser paleontólogo
tinha outro que queria ser jogador de futebol
(tinha uma porrada que queria ser jogador de futebol)
eu queria ser famoso
talvez um astro de rock
acho que isso se deve muito por causa do jimi hendrix, do black sabbath e do led zepellin
 
rolava show de rock dentro da kombi do marcos
a gente colocava música alto pra cacete e ficava pulando de cadeira em cadeira
se jogando
e tinha vezes que a gente passava pelo leblon e eu jogava papel do caderno de aula
fazendo uma bola de papel e tacava na cabeça de algum careca
 
as pessoas foram saindo do colégio, indo para outros
eu acho que ainda estou lá
um pouco nas paredes e no chão
e nos corredores
e nas pessoas que foram saindo
 
eu me multipliquei antes de saber multiplicar
já tinha lido fernando pessoa com 12 anos
apesar de não entender nada
só sentir que aquilo era uma coisa muito importante
tinha algo naquele pocket book
que eu sabia que iria gosta, sentir, entender mais no futuro
quando eu fosse grande
 
imagina isso:
ler fernando pessoa aos 12 anos
só podia ter dado merda

domingo, 14 de junho de 2009

- O que uma garota como você viu num garoto como eu?
- O que um garoto como você viu numa garota como eu?
- Eu perguntei primeiro.
- E daí?
- Você é doida.
- Eu sei. Você também.
- Eu sei.

terça-feira, 9 de junho de 2009

pombas!

.
o pombo estava lá perto do meio-fio.
 
na verdade,
 
........................o......p........b
.................................om........o
 
todo estraçalhado no meio-fio.
 
o rapaz passou
.......................pu
...........................lou
........................................................rápido
 
o senhor de relógio prateado
esbarrou o sapato nas penas: tinhapenagrudadanoasfalto.
 
e eu também passei: tinha um pombo estraçalhado
tinha um pombo que passou: olhou o pombo estraçalhado
 
e viu: pombas! quem estava estraçalhado era eu 

segunda-feira, 8 de junho de 2009

paredes do vento

.
nas paredes do vento peguei carona
.............................até a estrada que tinha dentro dos meus olhos
 
não tinha ponto final, só exclamação.
.................a vida era um bolo decorado
e eu não tinha nenhuma rima decor
a vida tinha cor
de corda bamba.
 
subir paredes do vento era pegar carona em invento
que o amigo inventou anteontem
e escalar as paredes da menina
era driblar os zagueiros da menina
que tinha ela nos olhos
 
...........................................procurar um canto escuro para abrir o sol
de de dentro dos rostos sorrir um sol e um sim
......................ilumiar.
 
 
era mais de três metros de corredor
e a maratona podia durar séculos
na brincadeira da gente
 
..........................................................mangueira que cai manga não ensina gravidade
nem menina grávida aparecendo ensina gravidez
 
eu tive que aprender na poesia
pra saber o que era viver

segunda-feira, 1 de junho de 2009

mar

.
o barulho de rio
ou de mar
me faz lembrar
o vazio
que é existir
sem amar

o brilho do mar
é uma constelação
no céu refletido
o meu rosto, meus olhos
pequenas estrelas
distantes de tudo que existe
e perto de tudo que ama

a chama trêmula no mar insiste
em espalhar sonhos
de amantes

o mar dança no silêncio do meu quarto
que dança no mar do meu silêncio

uma valsa invisível sobre o tempo

domingo, 31 de maio de 2009

pontos

.
.
hoje eu fechei os olhos e entendi o Sol
entendi que as coisas são feitas eternas
e que só hoje posso brindar o futuro

meus olhos passeiam pela vida com a certeza
de alcançar os rios mais bonitos do planeta
e tocar os pés no encontro de águas
chorar
e navegar em qualquer embarcação
para qualquer porto

porque o rio que passa na minha aldeia
são todos os rios do mundo
e nenhum rio do mundo

eu não tenho nenhum rio que passe em minha aldeia:
ela já é o rio
eu já sou a aldeia

ah! essas músicas idiotas não me saem da cabeça
não se pode mais fazer nada
um copo de chopp, cigarros, eu inventei promessas
e os futuros continuam os mesmos

somente o presente mente


eu seguro, então, nos seus braços
e juntos vamos contemplar a transitoriedade das coisas eternas
olhando o Sol, os prédios
a vontade de ser livre

o pombo atropelado no meio da rua
e o silêncio que de dele emana

antes eu saberia fazer rimas
e juntaria palavras como ímãs
mas hoje não sou mais poeta
perdi o alvo, a reta, a seta
estou nú diante de Deus (diante de mim mesmo)

lá vai aquele homem vestindo sua couraça
de pobreza e sorriso
eu daria um pão
eu daria minha vida
se não fosse pobre de espírito
se não pedisse migalhas de poesias
pelas ruas, pelos rios, tentando decifrar a natureza

cometemos muitos erros ao tentar decifrar a natureza:
a poesia se perde, como agora.

eu poderia dar pontos nos nós
dizer pra que vim ao mundo
falar a Verdade.

mas eu olho os olhos das crianças no metro:

elas não tem olhos, tem espelhos.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

beijo torto

um beijo torto
colocou o mundo no lugar

o beijo ainda existe
no lugares do meu amor

um beijo torto
que existe apesar do chão
da gravidade

azulejos
espelho do banheiro
escada

todo mundo passa
correndo

mas eu vejo
câmera-lenta

sábado, 23 de maio de 2009

A poesia nem existe

.
.
como faltou água hoje na descarga do banheiro
enchi um balde com água e desinfetante
depois que defequei.

joguei de uma vez só
e a minha sujeira desceu toda.

pouco tempo atrás eu estava pedindo
para alguém me limpar.

mas eu sei que o tempo não existe
do jeito que achamos que existe:

o que chamamos tempo
pode ser somente o acontecimento simultâneo
de eventos.

eu aqui jogando o balde com água e desinfetante
na privada
e os ponteiros do relógio do meu pulso
marcando 19:50.

o que eu gosto na poesia
é sincronizar
imagens
e
sons

que nunca existiram juntos.

desse jeito
ao ler a poesia
conseguimos viver no presente atemporal
de toda a nossa eternidade e efêmeridade
através de todas as banais ações e eventos
conseguimos viver a poesia
sem dimensões.

ler uma poesia assim
talvez seja
por um tempo indefinido (pois não há de fato)
ser o que se é,

sem metáforas
sem rimas

sem fim,

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Teoria Quântica Unificada

Subtítulo:
Introdução e análise da dinâmica dos corpos em desmovimento

Tive o sonho místico dos cientistas
profetizei como Einstein, Descartes
o futuro do mundo em mil pontos de vista

Tive o sonho místico dos cientistas
profetizei como Einstein, Descartes
o futuro do mundo sem restos, sem pistas
o templo era toda a natureza e suas partes

Primeiro vi Deuses e Deusas lindas
inventando fenômenos, destruindo vidas
tive o sonho místico dos cientistas
por um corte preciso no tempo e no espaço
entendi Deus, os Homens e a Poesia

entendi que os poetas são deuses
e que Deus é poeta
vi Fernando Pessoa voando
com asas feitas de papel vagabundo

tinha também o Bandeira
pescando palavras numa
piscina de plástico

ao seu lado
Vinícius bebia chuva
de um copo de nuvem

tive o sonho místico dos cientistas
e fiz esse artigo

vou publicá-lo em algum periódico
de física avançada

terça-feira, 19 de maio de 2009

Importância

Todo aquele passado que enfrentarei amanhã me deu insônias anteontem.
Conhecer mais é entender menos. Meu coração está balbuciando uma língua arcaica:
- Omito o mito ou minto muito imito o mito omito o mito...
Hoje meu pai disse que eu estou perdido. Quisera, então, que ele tivesse me achado antes.
Antes havia do que se perder. Pois como pode um toque se perder se já afeto em ele não havia. Vejo naquelas crianças as sementes geneticamente modificadas de um eu que aos poucos não vou sendo.
- O mundo é difícil.
(o pulso animal, quase humano, murmura nas artérias)
Difícil é penetrar nas rochas sólidas que a solidão entre nós juntou. Todo aquele passado que enfrentarei amanhã não tinha me dado insônias hoje. Só nos comunicamos verdadeiramente por metáforas. Só falamos de nós mesmos quando falamos dos outros. Só dizemos a verdade quando mentimos, só choramos quando rimos, só falamos da vida quando falamos da morte. Só falamos do tempo quando falamos...quando silenciamos.
- Isso não é sério.
Precisávamos rir mais ontem e depois de amanhã eu teria rido. Rir é uma forma de gostar sem forma.
- E enquanto isso?
A importância das coisas, dos lugares que fotografou, das mulheres que amou, se esvai no mundo material. Pertence somente ao pó, poeira, florescendo as gramas e reciclando as terras. Esses objetivos, para quem acredita na vida que não tem sentido, não tem sentido.
Enquanto isso eu vejo a eternidade das coisas que não posso ver. A eternidade da música que não escuto. A eternidade suave das palavras de afeto que você nunca irá dizer. A eternidade breve dessa vida.
Enquanto isso eu me procuro. Eu te procuro. Sou eu o perdido?

Procuro-te perdido em mim.

Improviso em Sevilha n:1

a arena eu vejo quando fecho os olhos
em Sevilha, o escuro é claro
os touros estão nas ruas
nas paredes e no creme

só vejo os meus passos
num passado que se perdeu
o Sol de Sevilha
seca o que nunca foi meu
o Som de Sevilha
berra um silêncio d'Orfeu

e eu firmo os pés na areia da arena:

revejo mil vezes a cena:

o pano vermelho é minha camisa
na brisa amena do dia em Sevilha

por que o dia
é Sevilha
assim como Sevilha
é o dia?

domingo, 17 de maio de 2009

Amanhã

escrevi esses versos daqui a vinte anos.

os versos ficaram mais lentos no futuro.

é a minha respiração que mudou amanhã.

ela queima quando passa nos pulmões

e quando sai no papel.

daqui a vinte anos

fiz a minha vida mudar.

escolhi o que colhi

escrevi o que eu vi

amanhã.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Vida Privada



Estava dormindo.
A luz acendendo me acordou.
Era ele.
Normalmente ele fazia de manhã.
Abaixou minha pálpebra
e começou.
A primeira foi de uma vez só.
Um mergulho até a minha garganta.
Depois demorou um pouco mais.
Saiu devagar.
Pensei na minha cidade,
naquele tempo em que eu ficava no meu lugar,
no meu canto.
Depois vieram e me tiraram de lá.
Me deram essa forma.
Às vezes não reconheço meu rosto.
Não fui eu que fiz o meu rosto.
Saiu devagar, mas saiu.
Ele se limpou.
Puxou o meu brinco.
O cheiro ainda ficou em mim.
Ele lavou as mãos.
E apagou a luz.
 
Não conseguia mais dormir.

Pausa

 
vou dar um tempo à poesia
vou deixar que ela saia
de seu atual casulo
 
livre, mais leve, consciente
de suas asas
 
e efemeridade

quinta-feira, 14 de maio de 2009

compasso em 5

ela anda
ela rebola
de banda larga
de bunda
ela anda
ela passa
na minha cabeça
sem pressa
ela anda
balança
a bunda
balança
a bunda
balança
o mundo

ela anda
e rebola
quadris
eu quis
entender
as coisas
eu caí
no chão
de bunda

ela bunda
anda
rebola
a terra
pra lá
e pra cá
ela rebola
a bunda

ela cai
de terra
em terra
e bunda
o mundo

temos que existir

 
temos que existir.
temos
que existir.
tememos
que existir:
 
não tema.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Outro

Chorei páginas dos meus olhos.
Chorei até molhar os livres.
Quem fala em mim é sempre outro.
Chorei, enfim, de risos tristes.


Quem anda descalço no cinema
tem os pés pisando sonhos.
Quem corre atrás de morena
só tem os calos que calam
só tem os olhos nos olhos

do Outro.

Eu queria ser a terra nos pés.
Falta-me coragem para ser de terra.
Faltam-me páginas para molhar a terra.
Falto-me eu no Outro.

Pra que servem palavras senão para parar o sentido do mundo?

Se eu pudesse sumir
voando nas minhas palavras
desaparecendo na minha linguagem

virar um pó
sem imagem
nem som:

mistério.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Passatempo

quem mexe e entorta frases
e fura vazios no queijo
e desenlaça o cadarço da água da pia
de vez em quando vira passatempo.

quem pula relógios feitos por raios de sol
e cisma em escutar o que está escondido
nas mão fechadas da amiga
é na verdade mentira.

se você descobre quantas gotas de vidro
caem da chuva
e quantas poeiras o carro do pai
brinca de futebol
você também vira passatempo.

é inevitável.

quem gira a cabeça de um cão
ao chegar no apartamento
tem dentes brancos e postiços

quem desliga a tv com um pedaço de vassoura
sonha que está na penumbra que vem do oceano atlântico

quem corre atrás da lua
e come frango com quiabo
e depois dá um pedaço da lua
para o garfo provar

merece o meu respeito.

domingo, 10 de maio de 2009

Mãe

Saí do seu ventre
para entrar para a História
você é o começo da minha memória

Fiquei na sua barriga
comendo a sua comida
sem ajudar na conta

ouví o que você ouvia
sentí o você sentia
e até sonhei seus sonhos

nosso coração bateu junto
no pulso da nossa alegria
de meu vir-ao-mundo

às vezes quando te vejo
percebo que você se vê
no meus (teus) olhos

às vezes quando sinto medo
eu guardo um pequeno segredo:
chamo o teu nome baixinho

desculpa se não comprei presente caro
não foi falta de carinho
sou apenas um estagiário

pra mim também só tem sentido
se o presente for sentido
como um poema espontâneo (especialmente criado)

você me deu a luz
nos sentidos infinitos dessa palavra
espero dar-te, então

o brilho dos meus olhos
ao viver na tua sombra

sábado, 9 de maio de 2009

A dança

Da nuvem insensata que pairava na permanência dos cinzas urbanos, da paisagem absoluta, turvando a memória e dissipando a infância em cada gesto dos carros, em cada ruído artificial; da nuvem que nem a imaginação pode transfigurar em outro objeto, meu grito, e minha lágrima, ambos feitos de pura poeira maquínica, meu grito de desespero diante do silêncio ensurdecedor que precedeu a descoberta de mim, em cada partícula do veneno químico de minha saliva, transbordava um vírus moderno; da nuvem mais inconsequente, feita do sussuro do mais oriental dos textos; estava plasmado no espaço, no ar, no céu, um mistério ancestral e vazio, no chão que imitava madeira, nas ferrugens não tão velhas do armário e na secura da minha garganta: as palavras para descrever o mundo trocaram de par na dança da linguagem das coisas.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Não Rima

noite não rima com boite
é boate, que não rima com boato
mas me disseram que a noite late
que o leite moça, que não rima com:
como almoço
janto a janta
que não rima com tanta coisa tonta
que não rima nem de sina nem de bairro
que não rima nem é feito de barro, que não é manoel
nem de.
a rima pode ser
na língua
na retina míopa
na ná vasconselina, em fim
em finita brincadeira
a rima
arruma
a rua
da lira
a rima
arruma
a rua
da lira
arromba
a lua
e delíra!

As Meninas

no fundo do ônibus da escola
você me pediu pra namorar com você
eu perguntei:
- o que que eu preciso fazer?
você me falou:
- ah, a gente tem que andar de mão dada, e você me dar presente.
- então tá.

desde aquele dia
aquele dia de sol que cega a gente de tão sol
as meninas não eram mais meninas

eram coisas que queriam que a gente fizesse alguma coisa
pra ficar junto delas

um ano depois
dentro da cabine do banheiro da escola
uma outra me deu um beijo na boca
as amigas dela subiram nas privadas
das cabines ao lado
pra olhar

cinco segundos depois
a menina e as amigas tinham ido embora
e eu lá

acho que eu to parado
naquela cabine do banheiro
até hoje

tentando entender
as meninas

terça-feira, 5 de maio de 2009

Passou

 
Cruzei a paisagem rasgando sua imagem desfocada. A fotografia em pedaços dançava no ar que ficava para trás. O carro fazendo o papel da memória. E o papel do filme brilhando naquele sol que a lua faz. Na estrada os sentimentos freiam na proporção em que se acelera. Era só uma imagem. Mas antes era minha.



Peraí!

Peraí!

Quem falou que o céu é azul?
que as coisas caem?
que pra lá é o sul?
que o mar é salgado?
que 2 + 2 são 4?
que Deus é Um?

Eu repito que o céu é azul.
O céu repete que azul é.
O azul repete que céu é eu.
O repete repete que o céu é azul que o céu.
O repete repete que o céu é azul que o céu é.
Azul.

Se o céu azul fosse o céu azul
fóssil assim azul
se o seu céu e o meu céu fossem assim
azuis
os seus, os céus, ósseos fossem fósseis
assim fáceis assim

não teria poesia
e seria azia

em vez de asa.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Boca

na boca vou provar o mundo
como quem bota a boca no mundo

na boca vou provar o mundo
como a bota bota a perna no mundo

como a galinha bota ovo novo
como a panela bota nela o ovo
como a gema é amarela e mela
como a boca cabe tudo do mundo
como a parede pega a rede e balança
como a balança deixa a pança maior
como a maior das maravilhas fervilha
como a comida na ida ainda moída
como a boca bota a boca no mundo

o sabor da lua é um vazio na boca
o sabor da lua é uma boca mordida
o sabor da sua boca vaza a lua mordida
o saber do mundo louco lua minguante
por mais que a boca abra louca e cante

eu como o mundo com a boca
que baba

domingo, 3 de maio de 2009

Era

era uma vez tantas vezes
e tantas eras e tantas heras
e vez em quando enquanto era
vezes tontas: era ela.

Destrambelha

é quando vira a canoa
pula o rodeio
destrambelha o horizonte

nosso coração sonolento
quer devorar sonhos de algodão
nas nuvens

é quando pula o cão
na água do mar
brilho - olho - solidão

encostar o ouvido no sabor das coisas
apalpar a delícia da lembrança

como suco de abacate

sábado, 2 de maio de 2009

Quase

queria a sensação de encostar na areia pela primeira vez.

colocar os pezinhos pequenos na espuma da onda quebrada.

levantar, desequilibrado, e andar até minha mãe.

queria a sensação de dominar o mundo, a cada palavra.

as coisas cismam em estar.

eu queria o quase.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Poesia se faz?

Uns falam sobre a concisão. Não disperdiçar palavras.
Cortar, cortar. Catar feijões.
Um trabalho mineirador, que penera as palavras.
Achar a essência da poesia.
Sua forma mínima no tempo. Seu espaço mínimo no tempo.

Faz sentido. Parece que grande parte dos poetas, ou
a parte dos poetas grandes, segue essa "regra".

Mas,
poesia se faz?

Ou se acha,
descobre?

Ah, mas mesmo assim, achando-a como um diamante bruto:
é preciso lapidá-la?

Eu não sei ainda...

O que vocês acham?

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Lição n:1 de Poesia

a cada dia que passa eu desaprendo mais poesia.
desprenho mais poesia.
do meu ventre de Homem.
do meu pau.

a cada dia que passa as palavras vão sumindo.
primeiro das letras.
depois dos fonemas.
depois dos ouvidos.
depois dos olhos.
depois da pele.
depois das pernas.

e correm atrás de poesia.

não dá mais pra andar na rua.
os carros não passam, eles arranham com seus érres.
o asfalto falta.
a moto mata.

não dá mais pra andar na rua.
a cada esbarrão o meu nome embaralha as minhas letras com as da pessoa.

não dá mais pra me olhar no espelho.
porque eu não vejo eu, eu vejo ue.

não dá mais pra cagar direito.
é como se eu fosse perdendo letras, palavras inteiras, pelo vaso.

não dá mais pra te amar, mãe.

eu não sei mais amar, mãe.

amar, mamar, mar...

puta que pariu.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

2 Irmãos

Conheço dois irmãos que se odeiam
não falam direito um com o outro
os dois tem razão, e esse é o problema
a guerra não vai terminar nunca

Conheço dois irmãos que se ignoram
a ignorância é o único mal, palavras implicam
já não se sabe quem começou o que, não existe começo
as palavras também não tem fim, já disse que
se multiplicam ao infinito

Conheço dois irmãos que se justificam
desviam as setas de si mesmos
como alvos-ambulantes correndo atrás de segredos
tropeçando no infinito, descarregando escuridões
conhecem apenas o que os olhos não vêem

Conheço dois irmãos que se calam
palavras contidas, em conta-gotas, feridas
e só doses homeopáticas de poesia
podem corroer o qu'era veneno
deixar correrem os meninos
redescobrindo uma infância tardia, que arde

Conheço dois irmãos porque não os conheço
enxergo de fora o que tenho medo de olhar pra dentro
em cada palavra uma cura descubro
que curando-os cura a mim mesmo
procurando o escuro de mim mesmo
só conheço dois irmãos, inseparavelmente
só conheço dois lados da mesma moeda
só conheço os dois irmãos que sou-me

Conheço dois irmãos que se amam

Diálago entre Deus e Einstein

- Soube que você disse que eu não jogava dados.
- Evidentemente.
- De onde tirou isso?
- Ué, pois joga?
- Jogo. E adoro, por sinal.
- Eu achava que tudo tinha uma explicação científica...
- Achou errado.
- Mas...
- Einstein, você confundiu seus irmãos.
- Não tive irmãos, só irmãs.
- Tô falando dos humanos em geral.
- Ah, sim. Mas, Deus...
- Porque você nunca me chama de "Pai"?
- Você faz tanta questão?
- Qual o problema?
- Mas, "Pai"...
- Olha o tom de voz...
- "Pai", quer dizer que as minhas teorias estavam erradas?
- Sim.
- O que exatamente estava errado?
- A questão é o seguinte, filho: nem tudo são números.
- Como assim? O que é tudo então, por favor, me diga, preciso saber!
- Quer saber o que é tudo?
- Minha vida inteira. Desde a primeira vez que olhei as estrelas no céu, quis saber o que significava...
- Se eu te contar, você jura não me encher mais o saco?
- Juro!
- Palavra de escoteiro?
- Palavra de escoteiro!
- Mindinho com mindinho?
- Mindinho com mindinho!
- Tudo é poesia.

sábado, 25 de abril de 2009

Ao infinito

corro pela noite com os braços abertos
esfregando minhas mãos pelos carros que correm
arranhando a minha pele com os ponteiros das horas
de todos os relógios em todos os pulsos

em cada esquina existe uma menina
e em cada menina existe um história de ninar
em cada esquina existe um perigo que me fascina
em cada menina eu te vejo, minha menina, e começo a rimar

porque em cada rima existe um mundo
em cada poesia eu me multiplico

sou feito palavra

que muda de significado ao infinito

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Espetáculo

depois de tantos gritos
o mundo ficou um pouco calado
calado demais

depois de tantos tiros
e tantos frios
um morno silêncio paira no ar

entorpecente aurora
que com sua luz
cala os fracos
e seduz os opressores

não quero cantar um mundo futuro
nem um mundo caduco
até porque tantos outros mais afinados
e de mais repertório
já cantaram

mais sinto essa luz matinal na pele
essa luz do presente
e não sinto nada

o que cantar?

as coisas mais belas adormecem...
num mundo sonolento
na velocidade da luz, mais, na velocidade do tempo
do pensamento
da energia elétrica
do wi-fi

e natureza estranha
olhando esse espetáculo vazio

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Coitados

coitado do baleiro do clube onde eu nadava
porque todos os garotos (e algumas garotas)
roubavam suas balas

coitado do porteiro da escola
que já de manhazinha, suado,
exibia suas mal cheirosas pizzas

coitada da menina que era gorda
e pior ainda
continua gorda e solitária no fundo da sala

coitado do calado
que nunca pode dizer eu te amo
pra menina que sentava do lado

coitado do professor novato
no primeiro dia
percebeu que não servia pra isso

coitada da menina
que perdeu a mãe
e ficou doente do coração

coitado do garoto
que sonhava acordado
hoje escreve essa poesia

e ainda vai dormir

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Tique - Taque

tem algo no ponteiro do relógio que

me lembra que sou feito de tempo

Aprendi

aprendi muito com a espuma do mar subindo na areia
e trazendo concha, ou pedrinha, alga
aprendi olhando a criança deixar o mar encostar no pé
eu mesmo deixando a criança encostando o mar no pé encostar na visão
como o mar, a espuma, as velas no horizonte, longe, a proximidade das coisas
com o mistério viver

eu poderia ficar parado por horas
parado só aprendendo
seria melhor do que correr até o final da praia
suar, exercitar os músculos, os órgãos
sem sair do lugar

porque ao ver o mar, a criança e eu mesmo
eu saí da frente do mar, da frente da criança
e de dentro de mim

não estava no metrô da cidade
nem no reflexo do cartaz, nem no olhar das pessoas
nem no útero de minha mãe, nem no sorriso da calçada
nas linhas retas das nuvens

não pertencia a nenhum grupo, nenhuma tribo,
não carregava nenhum sentimento ancestral

era só eu
e só

olhei para o mar
e pensei:

isso que vejo
está ai fora
ou está
aqui dentro?

Série - Coisas que gosto nas coisas - n°1

- gosto de poesia:

1) achar a palavra certa para as coisas

2) perder as palavras

- a poesia da Marta:

foi legal a água e o açúcar
que que eu mais gosto de fazer...
é difícil, eu gosto de muita coisa
eu gosto de ir no parque aquático
eu sinto a água
gffjhj5huiydrs...

hjgthgygffddfggg;;;;
pronto, esse daí é diferente

as setedfdffcfgvgfvggvgggbhkkl,l,~]~
]
]]]´~´çççç;~;/]~~;;;

é diferente mais ainda
de todas!

as mifgmkjfghnjknhjhmhhbb..........

muito mais diferentes de todas

2)segunda poesia da Martha:

hhjjgghkkjojjhjjkokkl,llç...?c mnhjkjj gvghif???????

(Martha é uma menina filha da minha colega
aqui do trabalho - hoje ela explicou pra mim
o que era poesia)

sábado, 18 de abril de 2009

c@belos

o cabelo da menina no sol
a luz no cabelo da menina
o sol no cabelo da menina

o sol cabelo
no mar da menina
nomear só .......................................................................distancia
o brilho do cabelo
o mar da luz
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
arrepio de verão
mas as palavras não se pertecem
que nem o sol
que não pertence ao cabelo da menina
mas ilumina

o sono de sábado
dormindo debaixo do sonho
seguindo o sol dos cabelos
ponto de fuga infinito
sou um ser imortal
porque crio
porque acredito

o teu cabelo ao vento
sobrenome: liberdade
e nas esquinas de nosso tempo
cruzam trens desgovernados

a vida não se traduz poesia
nem os cabelos luz

é esperar com os olhos
o que a poesia não vê.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Poesia

..
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

4 Amigos

você percebeu que ele falou coisas muito interessantes?
................................................................................................rapaz, deixa eu te contar uma coisa
................................diga meu caro........................................
................................meu carro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

--------------------------------quando eu a vejo...........meus olhos mudam de direção
------------------sério?



--------------------------------------------o sorriso dela
--------------------------------------------é o Sol
--------------------------------------------na janela

ele tá----------------------------------------------------aprisioxonado

Fast-Poetry 2

the office only keep sleeping
just in time to dream with you
even if I was a poet writing
I fell my language with a strange review

the words, one by one, are dying
in my ears they sing requiems and cry
when I try to write other way, I'm lying
but I try, I still gonna try, and still gonna try

have you ever been trapped
by your own world?
words, phrases, sentences,
if I could break my heart
and write a poem with blood

then I would be mine

Fast-Poetry

if i could break my heart
into little pieces of dreams
i would know you from the beggining
i would turn myself in you

i fell the breath of nature
telling me things from the past
it is a kind of intuition
i know my heart is cloudy
i know the color of your blues
i just don't know when to stop
and when to cry

the sun takes your inner sun
the sky is angry, the gods fell sorry
something tells me that
your love is full of hate
and there's always a place in destiny
for two little dreamers
and two little divers of heart's ocean

my heart is like the ocean
but the water can't break the stone

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Alquimia

ainda vou tranformar
as sombras
em ouro

ainda vou transformar
a metamorfose
em metáfora

ainda vou transformar
teu sorriso
em símbolo

ainda vôo

Soneto Antiqüado

obama reinventou a linguagem para as dama
trouxe uma nova bagagem de merchandising
o lennon fez uma revolução deitado na cama
hoje no youtube você nem precisa rimarising

dizem que vivemos numa era de amadorismo
já me acusaram de cometer atentado ao pudor
eu tento pois que tento ler antigos, romantismo
o troço não entende o agora, esse globalworldor

vivemos num tempo de não-partidos, nem
homem nem mulher, algo indefinidamente clean
o politicamente correto nem é mais político, tem
cheiro branco, olhos azuis, cabelo vermelho pichaen

eu só queria que me reconhecessem como O
Poeta do tempo atual, eu queria a glória do hall
da fama, ser reconhecido lá fora, ganhar O
DIREITO DE SER ARTISTA, o dinheiro no final

no final de um poema sempre tem um dilema
no final de um dilema sempre tem um poema
no final de um final sempre tem um começo
no final de um
no final de
no final
no
n

Lei 948325/2009:

parágrafo único:

É proibído fazer sonetos.

Ynpeto

fecho os olhos novamente
calo os calos da mente
calo tudo o que falo
e encaro simplesmente
a cara da minh'alma dormente

num ynpeto yang
revejo os filmes que li
os futebóis que criei
os creme-craquer que engoli

imagem retorcida

I {MA G ENS RET }OR C I D }? A Sº

IA MAGEM vira MARGEM DO RJ

i-Margem

a linguagem da internet é outra é outra
a rima é feita mais visual-sonoramente
os sonetos vão morrer vão morrer
a rima vai deixar de ser escrita
para ser

PA RA SEMP RE ! °º°ªªª§§¬¬£³³£²³£¹³²¹²³£³£¢¬£¢£¬£¬¢£¢¬¬¢£¬¢£¬¢£¢¢²£¬³²³£²¹³²³³£¬

eu queria que as letras falassem,
dan ça
ss
em

fizessem EXpreSsões FAciais - : )


mas elas continuam

mas as letras continuam

elas continuam

látras

<