quarta-feira, 4 de março de 2009

Verde

Se eu fechasse os olhos agora só iria escutar o barulho incessante das teclas do computador aqui do escritório. Se você estivesse aqui do meu lado, nós dois fecharíamos os olhos e esses sons em coro seriam chuva de pequenos granizos. Você está ao meu lado na chuva de granizos, pequenos granizos. Isso não é um escritório, uma repartição pública, isso é uma fazenda. Uma outra dimensão dentro da própria fazenda. Sublimemos o tempo-espaço. Só flutua o sentimento, o orvalho das plantas e o nosso suor. Está agradável o tempo, está fria a água do rio que divide as dimensões, estão quentes as nossas mãos. Nós abrimos os olhos:

o verde envolve o vento
o ver-te em volta do tempo
o ventre venta e inventa
um tempo sem tempo sem gesto
um tempo sem tempo sem resto

invento esse verde
invento esse ver-te
inverto esse invento

verdejo o momento
verde

5 comentários:

  1. o verde envolve o vento
    o ver-te em volta do tempo
    o ventre venta e inventa
    um tempo sem tempo sem gesto
    um tempo sem tempo sem resto


    arrebentou...

    ResponderExcluir
  2. soprou-me
    teu verso, invento
    um verde puro
    de amor intenso

    ResponderExcluir
  3. Sublimes versos escapam das almas dos poetas
    Viajando até ao fundo dos céus como balões …
    Suspensos ficam no tecto brilhando poesias inquietas
    Reflectindo olhos orvalhados em prados de emoções

    Dedicado a todos
    Os poetas e poetisas
    Deste mundo,
    Os que já adormeceram,
    E aos outros
    Que ainda nem sono têm...

    Bem hajam!

    Um resto de uma boa semana...

    O eterno abraço…

    -MANZAS-

    ResponderExcluir